quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Novidade é Bom

Ia escrever aqui sobre o meu dia, sobre como foi bom apresentar o Sarau da faculdade, como me senti feliz em ver o trabalho pronto. Tava até com esta página aberta quando decidi ver mas outras coisas por aqui. Foi ai que me foi mostrado o Cd novo dO córculo...
e eu mudei sobre o que ia falar pra fazer uma "homenagem" (não acho que essa seja a exata palavra).
Escutei o Cd e foi tanta coisa que veio na minha cabeça, de tudo que eu já vive ouvindo essa banda e por essa banda. Bateu um pouco de Nostalgia, uma sensação boa, daquelas que dá vontade de rir sem um motivo especifico. Ri por ri.

Vou fazer uma retrospectiva. pra eles. pra mim.

No começo eu era meio que nada no meio de uma multidão. Me lembro até hoje, primeiro show, Lual depois de Ver, não sabia nem ao menos que eu tava fazendo lá, só conhecia uma música de uma das bandas que iam tocar no dia (no caso eles mesmos)... mas fui (amor de irmã fazer essas coisas).
Me pendurava em cada nota daquele show com um afinco, e no final pensei. Caraaalho, como eu não conhecia isso antes? Mas como disse, eu era só mais uma ali. Timidamente fui saindo da frente do palco onde me encontrava, pra dar espaço a uma tonelada de fãs que queriam falar com aquelas pessoas no palco. Fui embora e no fundo tinha a certeza que ia voltar.
E voltei, e mais um e mais um... sempre ali no lado esquerdo do palco. Fui deixando de ser mais uma, e eles deixavam de ser pessoas no palco. Eram eles cada um, sendo um, um carinho, um sentimento. Eram eles. Meu programa favorito, o som que animava.
e foi tentando explicar isso que escrevi a poesia que me fez participar de um livro. E foi com eles que comemorei no alto do andú. Ouvindo eles. E sempre eles!
E um dia me pareceu que era o fim, não de cada um deles mais de um deles juntos. a garganta pareceu travar, o olho pareceu não querer mais piscar, e o corpo não reagi. Não era o impacto pelo fim de uma banda. Era o impacto por ser quem eles são e representar o que representam, foi o impacto do como aconteceu. mas como disse uma poeta certa vez:

" Contínua linha eterna
Fechando se em um ponto
Perdendo o fim
Que sempre procura um começo

Fechado no tempo, eterno
Aberto no espaço
Sempre agregando

Com voz, com alma"
(...)

o fim deles sempre acabava por procurar um inicio, e não foi diferente. Quando parecia que o fim chegou um novo começo surgiu. Brilhando e arrepiando. Como uma profecia foi dito, que eles eram fechados no tempo, por serem eternos. Mais um foi agregado com voz e com alma.
E assim me vou dizendo o que é cantado por eles:

"Deixar-se levar pelos tons
Banhar-se em cores e sons"
(...)

que todos escutem e se deixem levar.
O que não é novidade pra ninguém eu repito. Vida longa, nesse novo começo!

Um comentário:

Cal disse...

A poetisa mais linda de tooodas!
;D